Hotel Transilvânia 2 – Filme

20151005_165221
Thomaz pronto para enfrentar alguns monstros! =)

Meu filho e minha sobrinha são fãs do primeiro filme. Não entendo muito o motivo disso tudo, mas como as faixas etárias são tão diferentes (ele agora com 5 e ela com 24 anos. Crianças… hehehe) acho que podemos levar em consideração a relevância do primeiro filme para o público.

Sim, foi um certo sucesso o primeiro, e claro, decidiram então fazer o segundo (porque não, né?)
Acho que é um filme que atende bem o público, mas apesar de, para mim, não ser um épico, me interessa a questão da relação entre pai e filho (filha no caso). Nesse segundo caso, o filme 2, essa questão não é tão evidente, mas teve algo que me chamou a atenção nesse sentido: a necessidade que alguns pais – no caso o avô drácula – tem em criar expectativas para suas crias.

Drácula e seus amigos monstros.

Sou contra essa determinação. Acho que nossas mentes são limitadas demais ao nosso ego para entender ou visualizar as tantas opções de capacidade e uso da inteligência.

No filme também se fala muito sobre pais que tem enorme dificuldade de “dar asas” aos filhos. Mantendo-os ao seu redor, controlando seus passos… como por exemplo, manter eles morando com você o máximo de tempo possível (no caso do filme, dentro do hotel)

Festa estranho com “gente” esquisita!

Mas… vamos ao filme.
No site Adoro Cinema, a sinopse diz assim:
“A vampira Mavis (Selena Gomez) e o humano Jonathan (Andy Samberg) se casaram e continuaram morando no Hotel Transilvânia, já que Drácula (Adam Sandler) ofereceu um emprego ao genro. Ele na verdade quer que sua filha permaneça ao seu lado, especialmente quando ela revela estar grávida. Eufórico com a notícia, Drácula torce para que seu neto seja um vampiro de verdade e busca, a todo instante, indícios de que isto acontecerá. Entretanto, o pequeno Dennis (Asher Blinkoff) está prestes a completar cinco anos e, ao menos por enquanto, tudo indica que ele é um humano normal”.

O pequeno Dennis é um objeto de adoração pelo avô e quando o avô  (o Drácula) percebe que o menino não recebe a criação que ele julga apropriada e que ele pode não seguir a “linhagem” da família, coloca também uma questão um pouco racista – no caso não tão evidente por um genitor ser humano e o outro uma vampira, mas mostra sim o preconceito por não ter um neto com suas “características” genéticas e a dificuldade em aceitá-lo por isso.

Acho que dá uma boa discussão com seu pequeno sobre esses tipos de valores, sobre como aceitar o outro como ele é, sobre respeito a diversidade… pode ser bem explorado com um olhar mais cuidadoso.

Bem, mais uma vez o Drácula é interpretado pelo Adam Sandler e mais uma vez faz participação com Kevin James (Frankenstein) e David Spade (Griffin). O primeiro é de 2012 e os dois são da Sony Pictures, que vem tentando ganhar espaço no mercado de animação.
Levando em consideração todas as questões que podem ser levantadas com seu pequeno (ou pequena, claro) acho que é um filminho legal para passar uma tarde de domingo com as crianças de frente para a TV. Sim, vale a pena como diversão e como deixa para questionamentos.

Em comparação a uma preocupação minha sobre o primeiro filme, que não teve corroboração, esse segundo filme tem cenas que podem assustar as crianças. Quando o vampiro Vlad (Mel Brooks) aparece, ele tem uns amiguinhos nada amistosos, o que provocou muitos sustos nas crianças do cinema quando assisti. Inclusive no meu filho. Quando eu falo susto, falo de medo mesmo. Mas… depois passou com o humor do filme, quase como que um “morde assopra”.

Bem, para ter uma mostra da diversão do filme, dá uma olhada no trailer oficial:

Aproveita e veja o quanto que você pode estar projetando no(a) seu(ua) pequeno(a) suas realizações, pois isso não é nada legal para ele(a) e para a relação de vocês.

Grande abraço a todos e bom filme!
=)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *