Carta para o senador Humberto Costa, comparando as acusações com a alienação parental

Um dos maiores obstáculos para a aprovação da PLC 117/2013, que é a Guarda Compartilhada Automática, é o senador Humberto Costa (líder do PT no senado, por PE). Ele foi um dos responsáveis pelo encaminhamento da PLC para a Comissão de Assuntos Sociais – CAS, o que foi uma manobra clara de modificar o PLC e criar ainda mais complicação na lei que visa facilitar a igualdade parental.

senador Humberto Costa (PT/PE)

Esse semana, o senador foi acusado de receber mais de um milhão de reais pela chamada “operação Lava Jato”, como pode ser visto em vários sites de notícias atualmente, como a reportagem do jornal Folha de São Paulo.

Fazendo o comparativo entre uma acusação contra um político (como nesse caso, por recebimento de propina) e a acusação contra um genitor (pai ou mãe), sobre acusações falsas ou não… um companheiro de militância contra a Síndrome de Alienação Parental redigiu um texto para que possa, quem sabe, comover o senador e todos aqueles que não entendem os problemas gerados sem a igualdade parental garantida por lei, que é o que visa o PLC 117.

Segue o texto na íntegra para apreciação e reflexão.
Grande abraço a todos,
=]

———————————————————————–

Excelentíssimo senador Humberto Costa, tomo a liberdade de fazer um paralelo entre as acusações que o senhor acaba de receber e as falsas acusações que os pais recebem nos processos de guarda. Se tais acusações ocorressem como as de processos de guarda, tu receberia uma medida protetiva, sendo afastado de suas ações do senado (assim como um pai é afastado), não poderia chegar próximo ao senado, seus assessores não atenderiam seus telefonemas, começava agora uma caminhada para você provar sua inocência e não o contrário, quem te acusou provar da verdade e mesmo que você consiga provar sua inocência, para a sociedade tu será um criminoso. É mais ou menos assim que os pais vivem, sem o glamour da política.
Fábio Molina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *