Alienação Parental por Barbara Miranda Linck

“Alienação parental, parece tão fantasioso, é tão surreal, que só entende quem vive.

Todo mundo entende, se você diz que um filho morreu.
Mas quando você fala que seus filhos te rejeitam e não querem te ver, as pessoas ou minimizam o problema ou te olham estranho. Sempre haverá uma sombra de dúvidas sobre ‘que tipo de pai é esse’, que é odiado por um filho.

Enquanto parece lugar comum, um pai que abandona um filho, enquanto a mãe é uma santa-intocável, enquanto se acredita que um pai jamais poderá dar conta sozinho de uma criança.

Alienação parental é o horror de ter seus filhos tirados de você, é a tortura de ter a cada dia seus vínculos aprodrecidos pela doença emocional de uma mãe (ou pai) vingativa, é ter o caráter, a sanidade e o amor, postos a prova cada vez que você é empurrado para longe de suas crias.

Alienação parental, faz a criança acreditar que não é amada, que não foi desejada, que não está segura, que é vítima. Cria um adulto fragilizado, com a afetividade rachada. São cicatrizes, marcas para a vida toda.

Por tudo isso, alienação parental, é crime.”

Nenhum comentário


  1. Gostei. Exceto pelo “aprodrecidos”. [rindo]

    Texto claro, objetivo e que me informou.

    Este texto deixa claro para mim que todos estes assuntos relacionados tratam dos direitos do adulto, conforme iniciamos conversa por telefone.

    Tenho lido bastantes leis neste período da minha vida. Neste caso se aplicam o Código Civil, o ECA e a LOAS. Continuo com a mesma impressão: na maioria o direito do adulto sobrepuja a vontade ou o sentimento da criança. Se o ECA fosse seguido à risca, muitos direitos de genitores não poderiam ser plenamente gozados.

    A saber, caso ainda não saiba: ECA é o Estatuto da Criança e do Adolescente e LOAS é a Lei Orgânica da Assistência Social.

    Angelo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *