Visão ao machismo por Yasmine Saboya

cartoon-onu65745

Relembrei uma publicação da minha querida Yasmine Saboya, apresentadora do programa “Em Família” do Canal Saúde, sobre a posição dela, mãe de um menino, e a luta contra o machismo.

Venho refletindo há muito tempo sobre a cultura de formar meninos de uma maneira menos machista e mais aberta e ampla numa evolução enquanto ser social.
Conheço mulheres que transmitem essa cultura de evolução à seus filhos e conheço mulheres que não percebem os erros que cometem, doutrinando sem perceber, num antigo modelo, mas o mais importante, acho que temos que incluir essa pauta de desconstrução nos homens, nos nossos filhos.

No texto da Yasmine, ela fala sobre essa sua preocupação enquanto mãe e companheira, em passar essa visão aos homens que a cercam, pois ela entende que não há por que lutar contra eles e sim com eles também. Acho que ela entra no debate nos detalhes sutis de criação e comportamento que devemos dar e cobra de exemplo à nós homens.
Formar novos homens é fundamental para acabar com essa cultura que resulta em tantos problemas e castrações mentais, culturais e sociais para todos os lados, principalmente ao feminino.

Leiam e reflitam junto com a visão dela.
Acho que vale muito a pena para repensarmos o que queremos transmitir para nossos filhos.
Grande abraço para todos!


Visão ao Machismo – Yasmine Saboya

Sou mãe de um menino e filha de um homem que sempre foi um ponto fora da curva, um pai muito presente e participativo. Não que isso os torne alheios ao machismo, essa doença social que mata mulheres diariamente, seja pela violência doméstica, seja a morte emocional mesmo. A opressão é enorme e eu, mulher branca da Zona Sul do Rio de Janeiro, sequer tenho propriedade pra falar do machismo nesse nível. Mas posso falar do machismo representado na pia da cozinha, nas pequenas tarefas do dia-dia, nos “perigos de ser mulher” e passar por determinados espaços. Ser mulher ainda é, sim, ter que lutar em dobro pra estar no mundo. A jornada é tripla, dividi-la é um exercício diário de insistência super cansativo, e ainda dizem que somos nós o sexo frágil.

Mas a discussão feminista precisa se atualizar. Urgentemente. E fazer isso não é colocar de lado a luta feminista e tudo o que ela denuncia, mas somar a ela uma reflexão a mais. O Machismo é uma doença social, não é uma doença masculina. Empoderar a mulher é sim trazer o menino pra discussão, o companheiro. É ensina-los a viver num mundo de humanismo, onde todos participam igual na casa, nas contas e nas liberdades e possibilidades, porque ninguém é melhor do que ninguém. É alertar e chamar atenção sobre as mensagens que eles ouviram desde o útero sobre “coisas de menininhas”, “obrigações femininas”, corpo e “culpas”. É alertar sobre o que eles aprenderam sobre ser homem e está absolutamente errado! É dialogar.

Lógico que o dialogo ainda não é para todos. Há homens que não têm o mínimo necessário pra começar essa conversa. Assim como há mulheres também. Que se empenham num discurso raivoso que mais propõe uma guerra dos sexos do que qualquer reflexão.
Ando meio cansada desse discurso. Mais ainda porque sou mãe de menino e sei que ele se empenha em nadar contra a correnteza nessa cultura machista e apanha dos dois lados. Já é tempo de tornar essa discussão mais producente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *