Aprovação do texto básico na Comissão Especial sobre o Estatuto da Família

Foi aprovado, nessa quinta-feira dia 24/set, na comissão especial sobre o estatuto da família, o PL 6.583/13, o texto que determina que família é somente um núcleo de um pai, uma mãe e filhos.

Pois bem, o projeto vai a plenário agora e passará por aprovação (ou o que eu espero, rejeição e/ou alterações) para então seguir pelos trâmites burocráticos até chegar aos mãos da presidente Dilma e assim ser ratificado ou não.

Já manifestei aqui minha visão sobre tudo isso, mas vale lembrar…
Acho que é uma visão muito restritiva do assunto.
Não falo só em causa própria não, pois eu estou excluído dos benefícios que venham a serem propostos nesse projeto, pois como sou solteiro, não sou uma família com meu filho, e nem sei se seria com uma nova companheira que viria a ser madrasta do meu filho, acho que estaria fora do projeto também. Sei lá, difícil entender essa lógica…

Pois bem… Vejo uma preocupação extrema em impedir a aprovação de um texto que exclua as uniões homoafetivos como formadoras de uma família, assim impedindo adoções posteriores, ao texto de menores por casais homossexuais.

Vou citar o caso de tantas outras configurações que ficam excluídas do texto aprovado e me diga se é justo:
– pais solteiros (ah, esses são poucos… quem se importa?)
– mães solteiras (opa… essas são muitas, né? Hum… e agora? Vamos excluir todas?)
– avós que criam netos (os netinhos vão ficar sem os mimos dos avós?)
– tios que criam sobrinhos (ah, que tios são tão bonzinhos assim?)
– irmão(ã) mais velho(a) que assume o(s) mais novo(s) em casos de se tornarem orfãos… (hum… já são muitos casos, né?)
E um monte de outras configurações que incluem viúvos(as) e separados(as)… são muitas… vamos excluir todos???
Isso sem contar o caso de homoafetivos…
Acho que vivemos na mesma sociedade e dá para quantificar que esses tipos de famílias representam uma parcela significante da sociedade brasileira e creio eu, que são mais da metade na atualidade.

Estamos excluindo todos os outros modelos por causa de uma perseguição as bruxas homossexuais?
E ademais… qual o problema de casais homoafetivos adorarem crianças?
Ah, lembrei… dizem os “ditos evangélicos” que isso é contra os desígnos de Deus!!! É pecado e assim condenarão uma criança a viver em pecado!!!
Ok ok… vou fingir que entendo (não entendo)… então, os mesmo deputados que querem impedir esse “pecado”, tem propostas volumosas para tirar tantas crianças de orfanatos e centros de adoção, não é?? Estranho… não vejo isso da parte deles… Nem por suas ditas igrejas… Quantos desses adotaram uma criança? Quantos desses seus apoiadores/eleitores adotaram uma criança?? As crianças podem viver no inferno da solidão e do abandono em abrigos infantis, mas não podem viver no “pecado”? Isso não faz sentido para mim.

Não, não me importo que casais homoafetivos adotem crianças, e sinceramente, não vejo problema algum nisso.
O que? Risco de influenciar essa criança a vir a ser um homossexual também?
Por um momento, vamos fingir (de novo) que eu acho um problema real essa possibilidade… mas… se essa for a lógica… como que casais heterossexuais conseguem gerar uma criança que se torna gay?
Se um casal hetero não é garantia de formação de gênero, porque o casal homo seria?
Ademais, eu mesmo conheço pelo menos uns três casos de filhos de casais gays, hoje adultos, que não são gays. Que estranho… devem estar me escondendo algo então… segundo os deputados, é muito certo de serem gays também… mas estranho que não são. Ué… então a lógica deles não faz sentido…

Não, não faz sentido essa lógica e para mim não faz diferença também o gênero de uma pessoa. Isso não traduz o caráter dela, não traduz a capacidade intelectual dela, não determina a moral dela e nem sua honradez.
Não me preocupo em saber a preferência sexual de uma pessoa para definir se é uma pessoa do bem ou não. Se eles vão tirar um criança de um desses abrigos, por mim está ótimo, são do bem. Ninguém enfrenta toda uma burocracia dessas para uma adoção para fazer mal a uma criança… para fazer o mal eles iriam sequestrar.
Não acredito que Jesus se importasse com esse tipo de adoção também. É o que eu acho. Mas eu não sou pastor, não deve ter mérito para falar em nome Dele.

Por falar em Jesus… coitado… souberam? Foi excluído também… Afinal, ele tem 3 pais: José que o criou, o Espírito Santo que o fecundou em sua mãe e Deus que é seu pai biológico… Como pode uma mãe, que tem um filho com três pais, ser incluída nesse estatuto?? Está fora!!! Sinto muito!!!
Não gostou? Reclame com os ditos seguidores de sua doutrina!!! Foram eles quem criaram essa nova regra!!!

Não entendo como um país como o Brasil consegue dar passos para trás de forma tão imbecil e achar que isso é em nome de Deus!
Quanto Jesus disse: “venham a mim as criancinhas”; ele não sabia que tantas iriam ficar “presas” em orfanatos por tanto tempo e assim não poderiam ir até ele.

Acha que alguma coisa do que eu disse faz sentido?
Então procure um deputado do seu estado e envie um e-mail para ele, dizendo o quanto você está insatisfeito(a) com esse texto desse dito estatuto da família.
Ainda dá tempo de revermos tudo isso.
Leia mais sobre o assunto, se informe sobre algo tão importante.

Força e Honra, Sempre!
Grande abraço a todos!

Ah é… ainda tem os casais sem filhos… mesmo que sejam heterossexuais, também não são mais uma família. Sinto muito! Não gostou? Reclama com os “representantes da moral e dos bons costumes”.

Deixe uma resposta